Ancona aninha-se entre colinas e o mar celeste

No  último post, adentramos o mar Adriático rumo a Grécia. Comprometi a relembrar os cenários, atados às emoções, aquém dos triviais pontos turísticos. Neste momento, Veneza ficou, o coração se reparte, todavia o canto enfático de uma ave presume bons presságios. Da varanda, as ondas se configuram numa expressão de paz e profusão de sentimentos. Por quê a sombra do Titanic persegue?

A chegada a Ancona deu-se num piscar. O comandante delegou poucas horas ali, tempo de novos passageiros juntarem-se à embarcação, e sugeriu bate e volta rápido pelo Centro. Ninguém se animou em me acompanhar e Ancona me chamava.

Sozinha, resolvi conhecer uma pequena fatia daquela história. A cidade foi construída pelos gregos sobre duas colinas, no século IV A.C., mas várias edificações urgiram ser restauradas, depois dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial.

Do porto, percorri a pé a colina Colle Guasco, a mais antiga do povoado. Num olhar andarilho, incitado pelo desconhecido percorri ladeiras sinuosas, com calçadas em paralelepípedos, que me remeteram à infância.

Avistei vitrines de grifes famosas, pessoas de todas as idades e o novo linguajar, inventado por mim, quando estou na Itália, aflorou de novo. Misturo espanhol, português, mais timbre italiano e funciona. Assim, consegui o trajeto mais curto, até a medieval arquitetura da Catedral de San Ciriaco, preservada nos estilos românico e gótico. Estonteante!

Numa das travessas, me deparei com uma feira extensa, repleta de comidas típicas, roupas, sapatos artesanais e objetos para casa. Adquiri uma sandália linda, trabalhada em pérolas e me agulhei: teria ainda tantos lugares para conhecer naquele paraíso e o tempo como antagonista!

Preocupada com o relógio refiz o caminho de volta, a passo cortado para reparar direito nas encostas sobre aquele mar infinitamente azul, de junho. Prometo retornar, um dia. Próxima parada, Dubrovnik, na Croácia. (Ana Maria de Sousa)

Saídas: MSC, Costa Cruzeiros, NCL Norwgian, Royal Caribben, Princess Cruisses

Autor: Ana Maria de Sousa

Jornalista. Colunista de moda. Mestre pela FFLCH-USP. Doutoranda na PUC-SP, pesquisa sobre o vestiário de Nossa Senhora de Guadalupe em relação a cultura asteca e a história da arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s