Moda + Sustentável: vamos ficar de olho?!

A Intertek Brasil, responsável em cuidar da excelência e qualidade de produtos de ponta, reservou uma manhã de março para comprovar aos gestores de moda que parte da indústria têxtil e confeccionista continua contaminando nossas águas, com agentes químicos, usados nos processos de produção de matéria-prima, como a tintura de tecidos etc.  Acontece o seguinte: a água é duas vezes utilizada e os produtos químicos nocivos são despejados em água limpa, contaminando assim a cadeia de rios, lagos, mares etc.

Entretanto, em breve, várias empresas deverão se unir e apresentar um modelo de roupas, mais sustentáveis e duráveis, através da utilização de fibras recicladas e pensam até em resignificar as vestimentas para serem reutilizadas. No Brasil, a C&A, a Rchuelo, Renner, entre outras pretendem realizar ações integradas de negócio (gestão de resíduos, ciclo de vida do produto, eficiência hídrica e energética, investimentos sociais etc.), com produtos seguros e socio-ambientalmente sustentáveis.

No mundo, a ZDHC (Zero Discharge of Hazardous Chemicals) fez várias campanhas acusando grandes grifes e acionando sinal Vermelho para se posicionarem em defesa do meio ambiente.

Que tal a gente sair da “casinha” e cobrar mais responsabilidade dessas redes? Como assim?

  • procure saber se a empresa faz testes com animais ou utiliza trabalho escravo;
  • se a empresa está preocupada em reduzir o impacto no meio ambiente;
  • verifique as etiquetas das vestimentas e os ingredientes dos produtos;
  • etc.!!!
À esquerda: Renata Lucio, da Intertek Brasil e Taísa Caires [à direita], da Fundação Espaço Eco

Roupa sustentáveis, sem jogar detritos na naturezal!